Capacidade solar no mundo entra na era do terawatt e Brasil é um dos principais destaques

Capacidade solar no mundo entra na era do terawatt e Brasil é um dos principais destaques

  • Post Author:
  • Post Category:Solar

Estudo internacional lançado neste mês, em Munique, na Alemanha, mostra que a energia solar no mundo assume cada vez mais protagonismo na transformação energética sustentável. A fonte solar acaba de ultrapassar a marca histórica de 1 terrawatt (TW) de potência instalada. Segundo o “Global Market Outlook for Solar Power 2022-2026”, principal relatório de mercado do setor solar fotovoltaico mundial, o Brasil, mercado líder em energia solar na América Latina, deve se tornar um dos principais mercados globais nos próximos anos. O país pode atingir 54 gigawatts (GW) de capacidade solar total até 2026.

Apresentado durante a Intersolar Europe, maior feira e conferência do setor solar na Europa, realizada entre 10 e 13 de maio, o estudo, coordenado pela SolarPower Europe, associação europeia do setor solar, contou com a participação e co-autoria da Associação Brasileira de Energia Solar fotovoltaica (ABSOLAR). A ABSOLAR foi responsável por dois capítulos do documento. Um que apresenta o panorama e perspectivas da energia solar na América Latina, destaque principal desta edição, e outro é especificamente dedicado ao mercado solar no Brasil.

O relatório anual aponta que, apesar dos impactos sem precedentes causados pela pandemia de COVID-19 no mundo, a capacidade instalada solar dobrou no mundo nos últimos três anos. Com isso, em abril de 2022 o setor ultrapassou assim a marca de 1 TW de sistemas solares em operação no mundo. A projeção é de que a fonte solar fotovoltaica continuará acelerando seu crescimento. E deve ultrapassar portanto a marca de 2 TW em menos de quatro anos. O número representa o dobro da capacidade de geração de eletricidade da França e da Alemanha somadas.

O presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, participou do Congresso em Munique como palestrante e debatedor, em diversas atividades. “Em 2021, o Brasil foi um dos mercados líderes do mundo na instalação de novos sistemas solares, tendo adicionado 5,7 GW ao longo do ano. O índice considera a somatória das grandes usinas fotovoltaicas com os sistemas de geração própria de energia solar em telhados, assim como em fachadas e pequenos terrenos”, destaca Sauaia.

“Atualmente, a fonte solar é a quinta maior da matriz elétrica brasileira, com 15,3 GW de capacidade instalada em operação. Desde 2012, o setor solar trouxe ao País mais de R$ 82,1 bilhões de investimentos, além de mais de 459 mil novos empregos acumulados. Além de ter evitado assim a emissão de 22 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade. Isso é apenas o começo, pois esta tecnologia limpa, sustentável e acessível ainda tem um imenso potencial para avançar no Brasil”, conclui.

O Global Market Outlook for Solar Power 2022-2026 pode ser acessado na íntegra pelo link: https://www.solarpowereurope.org/insights/market-outlooks/global-market-outlook-for-solar-power-2022

Congresso: principais destaques

Durante o congresso, lideranças europeias destacaram as novas metas de ampliação de uso de fontes renováveis nos países da região. A União Europeia possui diretriz de suprir pelo menos 40% de sua necessidade energética por fontes renováveis até 2030. A medida é portanto estratégica para o atingimento do compromisso de redução de 55% das emissões de gases de efeito estufa do bloco europeu até 2030. E, também, de neutralidade de emissões até 2050. Em especial, a Alemanha deverá assim suprir 80% da sua eletricidade a partir de fontes renováveis até 2030, aumentando a parcela para 100% até 2035.

Para atingir estes compromissos, os países europeus têm acelerado dessa forma a realização de leilões de energia renovável, especialmente solar. E apoiado o crescimento do uso de sistemas solares em telhados de edificações. Outra aposta do bloco é o hidrogênio verde. A tecnologia pode fortalecer a autonomia energética em relação ao gás natural importado de países como a Rússia.

Feira: tendências tecnológicas e inovações em destaque

Na feira, foram apresentadas as principais tendências tecnológicas do setor solar na Europa e as inovações em desenvolvimento no mercado da região. Entre elas, chamam a atenção uso de energia solar em telhados e fachadas de edificações, inclusive substituindo materiais construtivos como telhas e brises, assim como revestimentos de fachadas.

Também foram destaque o crescente interesse em sistemas solares flutuantes, instalados sobre superfícies de água de lagos e reservatórios de hidrelétricas, aumentando a geração de energia renovável e ajudando assim a reduzir a evaporação de água dos reservatórios; novas aplicações da tecnologia solar junto à produção rural, diretamente sobre plantações, proporcionando dessa forma um uso duplo da área produtiva; a combinação da geração solar com armazenamento de energia elétrica, especialmente por meio de baterias; a aceleração da eletromobilidade, com diversas novas opções e tecnologias de carregadores de veículos elétricos para uso em residências e empresas; novos softwares e soluções de gestão de consumo de energia elétrica, aplicando a inteligência digital ao setor elétrico, para otimizar o consumo de energia elétrica nos horários críticos, reduzindo portanto gastos e custos aos consumidores.

Leia mais notícias sobre o setor de energia solar